8 de jul de 2014

(Resenha) Esposa 22 - Melanie Gideon

Título: Esposa 22
Autor: Melanie Gideon
ISBN: 
9788580572414
Editora: Intrínseca
Nº de páginas: 400




Alice e Willian Buckle estão casados há 20 anos e estão no auge da silenciosa crise do casamento, ou seja, estão distantes e a cumplicidade já não se faz mais presente entre eles.  Alice está prestes a fazer 45 anos, idade que sua mãe faleceu, e além de estar desgostosa com o casamento, sua carreira de professora de teatro está indo por água abaixo, acredita que Peter, seu filho, é gay e Zoe, sua filha tem transtorno alimentar.


"– Mãe, tenho uma coisa para lhe contar que pode surpreender você.
– Aham - digo, [...]
– Eu sou heterossexual.
– Está bem querido."

Certo dia, ao checar seus e-mails, Alice recebe um convite para participar de um estudo sobre casamentos do século XXI, pois ela atendia aos três critérios para a pesquisa, que consiste em casamento de mais de dez anos, filhos em idade escolar e monogamia. Sem hesitar, aceita o convite, mas mantém esse estudo em segredo de todos. Alice era a esposa 22 e o o guia do estudo, Pesquisador 101. 



A base do estudo são perguntas relacionadas a vida de Alice, ligadas ou não ao seu casamento, o que a deixa muito entusiasmada, pois se torna um meio de desabafo sobre sua vida, e o anonimato é determinante para sua confiabilidade em contar os sentimentos e fatos mais íntimos de seu passado e presente.  Com isto, Alice relembra alguns fatos de seu passado: o início de seu namoro com William, o nascimento de seus filhos, sua infância, etc. 

Perguntas vão, perguntas vem, conversas instigantes e comprometedoras os aproxima cada vez mais e o desejos se tornam incontroláveis. No entanto, sua relação com sua família fica cada vez mais distante, e quando decide dar um fim à sua aventureira vida virtual, ela se surpreende com o final da pesquisa.

Esposa 22 é uma narrativa maravilhosa, divertida e muito moderna. Traz o facebook à tona e tudo. A narrativa é composta por outros vários personagens. Um dos meus favortios é o Peter, fillho mais novo, ele é super carinhoso, dedicado e atencioso com a mãe. 

Entre os questionários da pesquisa, Alice escreve cartas para seus filhos e seu marido, me emocionei muito com elas. Vou destacar alguns trechos:

Ao Peter:

"{...}
Algumas coisas que você talvez não saiba ou das quais talvez não se lembre:
1. Quando vocês tinha dois anos e não parava de chorar por causa de uma terrível infecção de ouvido, fiquei tão desconsolada vendo você sofrer que entrei no seu berço e o abracei até você adormecer. Passaram-se dez horas e você não acordou, nem quando o berço quebrou."
{...}"

A Zoe:

"{...}
"Eu a amei e aí fiquei com muito medo e aí passei a amá-la mais do que jamais tinha imaginado possível uma pessoa amar outra.
{...}"

A William:

"{...}
Você me fez uma promessa que eu nunca hei de esquecer. Aonde quer que eu fosse, por mais longe que tivesse me deixado levar e por mais que eu tivesse me perdido muito tempo antes, você iria atrás de mim e me levaria de volta pra casa. {...} 
Se esta parece uma carta de despedida, desculpe-me. Não sei bem se é uma despedida. É mais um aviso. Você talvez devesse olhar o relógio. Deveria dizer a si mesmo: Alice já está fora há muito tempo. Deveria vir me procurar." 


Recomendo a leitura, mostra-nos que com amor, mesmo que "enferrujado", é possível reconstruir laços, seja ele qual for.


Nenhum comentário:

Postar um comentário